Voz do Pastor › 01/02/2019

As metas pastorais da Arquidiocese de Natal (IV)

Queridos irmãos e irmãs!

Ao iniciarmos o ano de 2019, último ano do nosso Marco Referencial da ação Pastoral 2016-2019, somos convidados a refletir sobre a nossa caminhada pastoral, tendo em vista a elaboração do novo Plano Pastoral. Nós iremos fazê-lo, em novembro próximo, após a Conferência Nacional do Bispos do Brasil (CNBB) apresentar as novas Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora, que serão construídas na Assembleia Geral que acontecerá em maio deste ano.

Proponho neste mês de janeiro refletir sobre as metas que construímos juntos e que vão de encontro aos problemas-desafios ou fragilidades que precisamos enfrentar.

A quarta meta pastoral, escolhida por nós, tem o seguinte enunciado: “uso eficaz dos meios de comunicação social em favor de um maior compromisso pastoral e evangelizador”. Embora seja função de um Setor Pastoral, o da Comunicação, na verdade, todas as pastorais, movimentos, serviços, e ainda, a própria organização pastoral arquidiocesana, devem usar os meios de comunicação social para esse fim: evangelizar. E, não somente os meios tradicionais, mas também as novas mídias digitais. Este é um vasto campo que pode ser um instrumento valioso na formação, na articulação pastoral, na informação que ajude nossas comunidades a não ficarem isoladas, nem alienadas diante de um sistema que pode corromper ou enganar.

Sabemos do grande trabalho que a PASCOM faz em nossa Arquidiocese. As paróquias que tem correspondentes da Pascom fazem um trabalho importante nesse campo. Necessitamos de uma Pastoral da Comunicação que seja acolhedora, que facilite o encontro interpessoal, e como afirma o Papa Francisco na Mensagem para o 50º Dia Mundial das Comunicações Sociais, uma comunicação portadora da força de Deus. Diz o Papa: “Aquilo que dizemos e o modo como o dizemos, cada palavra e cada gesto deveria poder expressar a compaixão, a ternura e o perdão de Deus para todos. O amor, por sua natureza, é comunicação: leva a abrir-se, não se isolando. E, se o nosso coração e os nossos gestos forem animados pela caridade, pelo amor divino, a nossa comunicação será portadora da força de Deus” (PAPA FRANCISCO. Mensagem para o 50º Dia Mundial das Comunicações Sociais. 22 de janeiro de 2016. Disponível em: http://press.vatican.va/content/salastampa/pt/bollettino/pubblico/2016/01/22/0043/00089.html#po).

O uso eficaz dos meios de comunicação social nos ajudará, não somente a divulgar nossas ações nos vários campos da sociedade, mas será um instrumento também para o intercâmbio e o conhecimento das várias pessoas que são envolvidas na ação pastoral e evangelizadora. Como é feliz esse testemunho de Papa Francisco. Para ele todo ser humano, independente de ser homem ou mulher, independente de pertencer à Igreja ou a outra confissão cristã, ou até mesmo outra religião, é sagrado, e ele pode não só considerar amigo, mas beijar e abraçar. A do Papa Francisco é uma comunicação aberta ao ser humano, capaz de se envolver com o outro. Neste Ano da Misericórdia, reforcemos ainda mais essa meta pastoral e acreditemos: “O encontro entre a comunicação e a misericórdia é fecundo na medida em que gerar uma proximidade que cuida, conforta, cura, acompanha e faz festa. Num mundo dividido, fragmentado, polarizado, comunicar com misericórdia significa contribuir para a boa, livre e solidária proximidade entre os filhos de Deus e irmãos em humanidade”.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.