Voz do Pastor › 27/07/2018

Mês Vocacional

Queridos irmãos e irmãs!

No mês de agosto, a Igreja no Brasil celebra o Mês das Vocações. A Igreja no Brasil celebra todos os anos durante o mês de agosto, o Mês Vocacional e os quatro domingos já contam com sugestões de oração, que foram elaboradas pela Pastoral Vocacional do Brasil em parceria com a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Este ano, a temática é “Seguir Jesus a luz da fé” e o lema: “Sei em quem acreditei” (2Tm 2,12). Momento importante para reflexão e celebração do dom recebido por Deus para o serviço do Reino. Eis o que define “vocação”: dom recebido para… Reflitamos sobre essa definição. Em primeiro lugar, vocação é dom, é chamado. Mas, um chamado a uma relação. Deus não chama para fazer “coisas”, como se Ele quisesse escravos, empregados. Ele nos chama para dar-nos o seu amor. O amor de Deus, que é Deus mesmo, estabelece uma união, misteriosa sim, mas real. Claro, é uma união diferente da “união hipostática”, o que acontece na Encarnação do Verbo, mas uma união com a mesma vida de Deus. Deus e nós, uma comunidade de amor, reflexo daquela que é a melhor comunidade, a Santíssima Trindade. Portanto, vocação, chamado dirigido a todos, é a experiência da intimidade divina, da santidade de Deus em nossa vida, da espiritualidade que não significa cuidado com a alma e desprezo pelo corpo, mas cuidado com a pessoa inteira, na unidade de corpo e alma, espírito e matéria. Deus nos chama a fazer parte de sua vida, a entrar na sua relação de Pai e Filho e Espírito Santo. Como Deus nos criou à sua imagem e semelhança (cf. Gn 1,26-27), e sendo Cristo Jesus a imagem do Deus invisível (cf. Cl 1,15), podemos dizer que Deus nos cria para sermos “filhos no Filho”, para imprimir em nós a imagem do seu Filho. Ah! Dom inestimável, maravilhoso intercambio! Deus dá origem à natureza humana para unir a ela a sua própria natureza. Eis o sentido primordial, fundamental da vocação.

Mas, o dom recebido não é para proveito somente de quem recebe. Sim, o primeiro beneficiário do dom é o próprio receptor. Porém, o dom de Deus é por natureza dom para os outros. Vocação, portanto, é dom que se une ao serviço, à missão. Jamais Deus chama para uma relação unilateral: Deus e eu. Mas sempre, Deus para nós. Vemos isso claramente no modo como Jesus nos ensina a dirigir nossa oração a Deus: “quando orardes, dizei Pai nosso” (Lc 11,2). Ou ainda: “Vai dizer aos meus irmãos: subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus” (Jo 20,17b). Viver a vocação é sempre viver com e para os outros. Isso requer a compreensão de que os outros vivem com a mesma vocação: todos são chamados por Deus a participar da vida de Deus. Ninguém é excluído. Afirma, de modo claro e categórico, o Concílio Vaticano II: “E o que fica dito, vale não só dos cristãos, mas de todos os homens de boa vontade, em cujos corações a graça opera ocultamente. Com efeito, já que por todos morreu Cristo e a vocação última de todos os homens é realmente uma só, a saber, a divina, devemos manter que o Espírito Santo a todos dá a possibilidade de se associarem a este mistério pascal por um modo só de Deus conhecido” (CONCÍLIO VATICANO II. Constituição pastoral Gaudium et spes, n. 22). Mas, também é para todos o chamado À missão. Papa Francisco, em duas ocasiões ressaltou essa universalidade da missão: “Em todos os batizados, desde o primeiro ao último, atua a força santificadora do Espírito que impele a evangelizar… Em virtude do Batismo recebido, cada membro do povo de Deus tornou-se discípulo missionário (cf. Mt 28, 19) ” (FRANCISCO. Exortação Apostólica Evangelii gaudium, n. 119-120). E, na Exortação Apostólica Gaudete et Exsultate nos ensina: “Cada cristão, quanto mais se santifica, tanto mais fecundo se torna para o mundo. Assim nos ensinaram os Bispos da África ocidental: ‘Somos chamados, no espírito da nova evangelização, a ser evangelizados e a evangelizar através da promoção de todos os batizados para que assumam as suas tarefas como sal da terra e luz do mundo, onde quer que se encontrem’” – Conferência Episcopal Regional da África Ocidental, Mensagem pastoral no final da II Assembleia Plenária (29 de fevereiro de 2016), 2 (n. 33).

Vivamos o Mês vocacional com alegria e empenho, agradecidos pelo chamado e prontos para colocar nossos dons a serviço do Povo santo de Deus. Amém.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.