Voz do Pastor › 28/09/2016

Outubro: vida e missão

Queridos irmãos e irmãs!

Nos próximos dias, a Igreja de Natal viverá momentos fortes e significativos para a sua vida. O primeiro momento e a celebração dos Bem aventurados André de Soveral, Ambrósio Francisco Ferro, Mateus Moreira e seus 27 companheiros mártires, os Protomártires do Brasil, como proclamou o Papa São João Paulo II, no dia 5 de março de 2000, quando da cerimônia de Beatificação. Nossa expectativa para com a Canonização que, se Deus quiser, com o nosso empenho, acontecerá no ano que vem. Rezemos para que assim seja.

Outro momento forte será a presença do Núncio Apostólico, Dom Giovani D’Annielo, que virá para a Festa dos Mártires. A presença do Núncio será uma experiência de comunhão com o representante do Papa em nosso meio, e o nosso desejo de estarmos sempre em comunhão com o Santo Padre. O Núncio virá conhecer a devoção aos nossos mártires, os lugares do martírio e a fé dos filhos deste solo, banhado com o sangue de tantos homens e mulheres, jovens e meninos que, pelo Bom Pastor deram testemunho de fé.

Também, nos próximos dias, iniciaremos o Mês Missionário. Na dinâmica dos meses temáticos, outubro é dedicado às missões. Para nós, é um tempo especial de reflexão, de oração e de conscientização de que vivemos num estado permanente de missão. Tivemos a graça de celebrar em nosso País, no ano de 2007, em Aparecida, a V Assembleia Geral do Episcopado Latino-americano e Caribenho, onde se tomou a firme decisão de assumir a missão, não como mais uma pastoral dentre as tantas que existem, mas de viver a missão como estado permanente. No mês de outubro, a Igreja é chamada a celebrar a sua essência, a sua natureza, isto é, o fato de ela ser “missionária”.
Outro momento importante, logo no início do mês, se dará pelas eleições municipais. Vamos escolher prefeitos ou prefeitas, vereadores e vereadoras em nossos municípios. O dia das eleições é um dia especial para celebrar a democracia. A política é uma virtude. Conclamo a todos os candidatos a que, sendo eleitos, pautem sua administração e o exercício do legislativo municipal, pelo compromisso de fazer da política a arte da persecução do bem comum. Afugentem de perto de vocês a pratica da corrupção, da deslealdade, da desonestidade. O nosso País é um País belo, cheio de encanto e rico. Não é possível que sejamos condenados a assistir a destruição da política pela ganância, pela deturpação dos valores, pelo egoísmo de alguns que levam para deus bolsos tanto dinheiro que deixam abandonados os que precisam de saúde, de educação, de segurança e de uma vida digna. Senhores políticos, a Igreja não os vê com desconfiança, não os despreza, pelo contrário, por causa de sua missão, ela tem o dever de anunciar: “façam do exercício da política, o meio para construir uma vida honesta, de respeito aos cidadãos e cidadãs, de busca pelo bem comum”.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.