Voz do Pastor › 02/06/2017

Pentecostes: vida de Cristo em nossa vida

Queridos irmãos e irmãs!

A Igreja celebra neste domingo, 4 de junho, a Solenidade de Pentecostes. Cinquenta dias após a Páscoa, Ressurreição de Cristo, os apóstolos, reunidos com Maria, a Mãe de Jesus (cf. At 1,14), receberam a efusão do Espírito Santo. Jesus mesmo, estando ainda com eles, no cenário da Páscoa judaica, havia prometido que o Espírito Santo viria: Jo 14,12-17 – “Em verdade, em verdade, vos digo: quem crê em mim fará as obras que eu faço, e fará ainda maiores do que estas. Pois eu vou para o Pai. E o que pedirdes em meu nome, eu o farei, a fim de que o Pai seja glorificado no Filho. Se pedirdes algo em meu nome, eu o farei. Se me amais, observareis os meus mandamentos. E eu pedirei ao Pai, e ele vos dará um outro Defensor, que ficará para sempre convosco: o Espírito da Verdade, que o mundo não é capaz de receber, porque não o vê, nem o conhece. Vós o conheceis, porque ele permanece junto de vós e está em vós”; Jo 14,24-26 – “Quem não me ama, não guarda as minhas palavras. E a palavra que ouvis não é minha, mas do Pai que me enviou. Eu vos tenho dito estas coisas enquanto estou convosco. Mas o Defensor, o Espírito Santo que o Pai enviará em meu nome, ele vos ensinará tudo e vos recordará tudo o que eu vos tenho dito”; Jo 15,26s – “Quando, porém, vier o Defensor que eu vos enviarei da parte do Pai, o Espírito da Verdade, que procede do Pai, ele dará testemunho de mim. E vós, também, dareis testemunho, porque estais comigo desde o começo”; Jo 16,7 – “No entanto, eu vos digo a verdade: é bom para vós que eu vá. Se eu não for, o Defensor não virá a vós. Mas, se eu for, eu o enviarei a vós”; Jo 16,13s – “Quando ele vier, o Espírito da Verdade, vos guiará em toda a verdade. Ele não falará por si mesmo, mas dirá tudo quanto tiver ouvido e vos anunciará o que há de vir, ele me glorificará, porque receberá do que é meu para vos anunciar”.

Da palavra de Jesus, promessa que ele realiza no dia da Ressurreição (cf. Jo 20,19-23), e em Pentecostes (cf. At 2,1-13), a comunidade dos seus seguidores recebe a força para continuarem a sua missão no mundo. Em primeiro lugar, o Espírito Santo é prometido para ficar conosco. Ele vem para fazer possível a nossa comunhão com a Comunidade divina – Pai e Filho e Espírito Santo. Ele é o vínculo que nos une a Deus. Não apenas Deus próximo, mas Deus em nós. Aqui se explica o significado de EMANUEL – Deus conosco, isto é, Deus em nós. Essa é a verdadeira e autêntica comunhão – não uma coisa, um objeto, o que nos levaria à instrumentalização, mas uma Pessoa em nós, Mistério que nos envolve e que, não nos instrumentaliza, mas nos agracia, isto é, nos transforma em criaturas novas e cheias de graça. Em segundo lugar, o Espírito Santo nos ensina e nos recorda o que Jesus nos disse. De fato, Jesus nos ensinou que Deus é o nosso Pai, que ele cuida de nós e nos escolhe como seus filhos e filhas. Os Evangelhos, compêndio de suas palavras e testemunho de fé sobre a sua vida, são para nós, o ensinamento essencial. Porque toda a sua vida, seus atos e suas palavras, mostram o caminho para a vida e toda a verdade, o Espírito Santo faz de nós “evangelho vivo”. A ação do Espírito Santo realiza, em nós, as palavras de recomendação do Pai (cf. Mt 17,5; Lc 9,35; Mc 9,7), durante a cena da transfiguração, e também, de Maria, sua mãe (cf. Jo 2,5), nas bodas de Caná. Como terceira ação do Espírito Santo está o testemunho que ele dá do Senhor Jesus e o nosso testemunho. Assim, o nosso testemunho de Jesus une-se ao testemunho do Espírito: recebemos o Espírito Santo para testemunhar que Jesus é o Senhor. De fato, como diz São Paulo, “ninguém será capaz de dizer: ‘Jesus é Senhor’, a não ser sob a influência do Espírito Santo” (1Cor 12,3). Estar sob a influência do Espírito Santo significa viver segundo o Espírito. Esta vida só é possível porque somos guiados pelo Espírito em toda a verdade. Mas, a vida segundo o Espírito é a vida das bem-aventuranças, das obras de misericórdia, da vivência do mandamento novo do amor, da caridade pela qual a fé é sempre viva. Quem vive sob a influência do Espírito Santo não se deixa corromper, não é dominado pela vingança, não instrumentaliza a fé em beneficio próprio, mas vive a dinâmica da vida de Cristo: “É por isso que o Pai me ama, porque dou a minha vida” (Jo 10,17). Quando vivemos a fé como doação de nossa vida a Deus e aos irmãos, então vivemos segundo Espírito Santo.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.