Destaques › 23/04/2015

Tecnologias sociais chegam a 159 famílias de Angicos e Lajes

Cisterna Calçadão, uma das tecnologias sociais de convivência com o seminárido (Foto: José Bezerra)

Cisterna Calçadão, uma das tecnologias sociais de convivência com o seminárido (Foto: José Bezerra)

Uma missa em ação de graças marcará a inauguração de 159 tecnologias sociais de captação e armazenamento de água para a produção de alimentos (P1+2), construídas pelo Serviço de Apoio aos Projetos Alternativos Comunitários (SEAPAC), no próximo dia 28, às 19 horas, na quadra de esportes da comunidade Rio Velho, no município de Angicos. Do total, 101 tecnologias foram em comunidades de famílias de Angicos e 58 em comunidades de Lajes.
A celebração será presidida pelo Arcebispo Metropolitano de Natal, Dom Jaime Vieira Rocha, e concelebrada pelo pároco de São José de Angicos, Padre Severino da Silva Neto. Depois da celebração, haverá a bênção das tecnologias e a composição da mesa, para o momento solene, inclusive de pronunciamentos. Em seguida, haverá um jantar partilhado para todos os presentes.
A construção das tecnologias sociais de captação e armazenamento de água de beber e de produzir (cisternas de placas, com capacidade para acumular 16 mil litros; cisternas calçadão e de enxurrada, com 54 mil litros; e os barreiros trincheira, com 500 mil litros) mudou para melhor a vida de milhares de famílias. A peregrinação que mulheres e homens faziam em busca de água, às vezes com percurso superior a dois quilômetros, hoje não acontece mais. A água está no quintal da casa, tanto para o consumo humano quanto para a produção de alimentos.
O agrônomo Damião Santos, do SEAPAC, em uma das solenidades de inauguração dessas tecnologias, afirmou: “Apesar de termos vivido a pior seca dos últimos 50 anos, em 2014, não se tem notícias de nenhuma morte de gente provocada pela fome e sede, nem se ouviu nenhuma notícia de saques em feiras”. Essa nova realidade foi construída com o acesso das famílias às tecnologias sociais e às políticas públicas de convivência com o Semiárido.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.