Notícias › 19/02/2021

Estado da questão e roteiro dos momentos de espiritualidade presbiteral de 2021

Por Pe. Matias Soares, pároco da Paróquia de Santo Afonso Maria de Ligório, Mirassol, Natal

Para nós, presbíteros, o evento do Vaticano II ainda é algo a ser explorado, principalmente no concernente à nossa identidade e missão. Motivados por seus ideais, contidos na Presbyterorum Ordinis[1], que há oito anos, um pequeno número de sacerdotes, preocupado com a formação permanente e com o intento de gerar uma mentalidade, teve a iniciativa de uma vez ao mês, promover uma manhã de encontro para rezar, meditar a palavra de Deus e fazer partilha de vida. Tudo foi pensado para que acontecesse de modo espontâneo e muito fraternal. Mesmo assim, foi sentida a necessidade de traçar um simples esboço, por necessária organização, para que déssemos início ao momento que, para os que foram perseverantes, tem sido algo, mesmo que pontual, fortalecedor para a vida e o ministério a serem santificados e testemunhados.

Outro acontecimento que nos lança nesse projeto é a situação pandêmica e pós-pandêmica. Se antes e com as renovações conciliares, por falta de uma justa hermenêutica[2], a “crise de identidade e da missão” eram os carros chefes dos questionamentos presbiterais, o que percebemos e teremos é o que e como viveremos o dinamismo que nos lança a desafios novos. A pandemia desestabiliza estruturas mentais, institucionais e sociais também da vida e ministério presbiterais. É bom que nos preocupemos e, por isso, nos cuidemos e cuidemos uns dos outros![3]
Para este ano nos propomos meditar o Pentateuco (Gn, Ex, Lv, Nm e Dt). Ao todo são cento e oitenta e sete capítulos. A cada mês (23/02; 30/03; 27/04; 25/05; 29/06; 27/07; 31/08; 28/09; 26/10; 30/11 e 14/12: Confraternização), deveremos ler e meditar em média de dezoito a dezenove capítulos. Desses, cada um escolhe uma passagem que mais o ajuda a pensar o seu “caminho existencial e presbiteral”. É algo muito livre e sempre tendo como horizonte a vontade de Deus para cada um de nós. Ao longo do tempo, os frutos espirituais acontecem. A dimensão performativa da palavra, pela ação do Espírito Santo, é adquirida. O importante é a docilidade à graça de Deus.

Apresentadas as linhas das motivações que nos movem e reiterando que é um encontro aberto, onde todos os presbíteros são bem vindos, promovendo assim a sinodalidade presbiteral e com prévia anuência do Sr. Arcebispo, Dom Jaime, podemos ver a estrutura do momento, que acontecerá a cada última terça-feira de cada mês, a começar em fevereiro, das 08:30h às 11:30h, em lugares alternados e escolhidos pelos membros da célula:

– 08h chegada e preparação prévia para o momento: trazer bíblia e breviário; colocar celular no silencioso; ver o que é necessário para a boa vivência do momento;
– 08:30h: início com Veni Creator e Laudes;
– 08:50h: breve exposição do texto bíblico indicado (Para este ano, pensamos o Pentateuco para leitura e meditação);
– 09h: Deserto;
– 10h: Retorno e Hora Média (Ofício das leituras);
– 10:30h: Leitura de textos referentes a missão do presbítero, ou de temas de atualidade;
– 11h: Socialização das conclusões pessoais;
– 11:30h: Oração, benção final e saída para o almoço.

Para este ano, também há a intenção de estudos de alguma temática social contemporânea, ou reflexões sobre desafios da formação sacerdotal que os participantes pensem ser relevantes. Por fim, a certeza de saber que muitos dos nossos irmãos de Presbitério sonham com a promoção da “cultura do encontro” também entre os presbíteros, nos confiemos à ação do Espírito Santo, verdadeiro Promotor da alegria do evangelho e sejamos testemunhas fieis do Reino de Deus entre nós. Todos estão convidados. Agendem e venham participar conosco deste momento! Assim o seja!

Equipe organizadora
Natal, quinze de dezembro de 2020.

[1]http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_decree_19651207_presbyterorum-ordinis_p: é indicativo que os membros desta “célula presbiteral” leiam como uma carta espiritual a Presbyterorum Ordinis. Recomendamos vivamente o Cap. I,4, que trata dos “Presbíteros, como ministros da palavra”. É imperativo recordar que a nossa Igreja Particular terá a palavra como pilar do seu dinamismo pastoral para este período de dois mil e vinte um.
[2]http://www.vatican.va/content/benedict-xvi/pt/speeches/2005/december/documents/hf_ben_xvi_spe_20051222_roman-curia.ht
[3] https://catholicus.org.br/presbiteros-cuidai-vos-uns-dos-outros/

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X