Paróquia de Santa Rita de Cássia – Santa Cruz

Paróquia de Santa Rita de Cássia – Santa Cruz

Praça Presidente Vargas, 80 - 9200-000 - Santa Cruz - RN
Pároco: Pe. Vicente Fernandes da Silva Neto
Telefone: (84) 3291-2112

Vigários Paroquiais: Pe. João Maria Dias e Pe. Newton Coelho de Oliveira

Diáconos Permanentes:  Diác. Evanoel Fernandes da Silva, Diác. José Rogério Sobrinho e Diác. Manuel Cícero Batista da Silva

Municípios que abrange: Santa Cruz, São Bento do Trairi e Japi

Contatos:
Site: www.paroquiasantaritarn.com.br
Facebook: www.facebook.com/paroquiasantaritarn
YouTube: www.youtube.com/paroquiasantaritarn
Instagram: www.instagram.com/paroquiasantaritarn
Twitter: www.twitter.com/paroquiasritarn


Data de Criação: 27/03/1835

História da Paróquia de Santa Rita de Cássia – Santa Cruz

A provável data para construção da Capela de Santa Rita é nos anos de 1820. Em 27 de março de 1835, Basílio Quaresma Torreão, Presidente da Província do Rio Grande do Norte, promulgava a lei nº 24, que tornava a pequena capela em Igreja Matriz, e dedicada a Santa Rita de Cássia.

Antes da construção da capela, Santa Rita deveria ser venerada na fazenda de alguma família fundadora. Mais tarde, com a construção da capela, a imagem deve ter sido levada para o povoado. Esta imagem primitiva foi doada por uma das filhas dos fundadores da cidade, José Rodrigues da Silva.

A Paróquia de Santa Rita ficou submetida ao município de São José de Mipibu, e seu primeiro padre foi João Soares da Veiga Albuquerque e Almeida. Entre 27 de junho de 1849 a 24 de agosto de 1858, Santa Cruz fica sem ser Matriz da Paróquia, a pedido do Padre Camilo de Mendonça Furtado (quarto vigário da cidade) escreve uma carta ao bispo diocesano, Dom João da Purificação Marques Perdigão, em Recife, lastimando a qualidade da “capela insignificante” e “arruinada de tal sorte”.

Para voltar ao título de Igreja Matriz foram feitas inúmeras reformas entre 1850 e 1865. O Altar-Mor recebeu a bênção oficial em 11 de julho de 1869, pelo visitador diocesano, Padre Manoel Ferreira Borges, vigário de Goianinha.

Em 1954, sob o paroquiato de Mons. Emerson Deodato Negreiros, a capela secular é demolida para construção da atual Igreja Matriz. O projeto principal (naves, torres, portas e altar-mor) foi concluído em 1965, e o relógio da torre, com quatro faces, em 1982.

Em 2006, Padre Aerton Sales da Cunha entregou a reforma do presbitério da Matriz. Em 2016, o Padre Vicente Fernandes da Silva Neto implementou uma reforma das fachadas do templo, área externa, além do projeto de acessibilidade do templo. Em 1º de fevereiro de 2020, foi fixada no alto da torre uma cúpula, que totalizou a altura da Igreja Matriz em 47 metros.

Em 2006, a comunidade acolhe o projeto de construção do Santuário de Santa Rita de Cássia, com uma estátua de 56 metros de altura, sendo a maior estátua católica do mundo. O período de obras foi de 2008 a 2010, sendo a inauguração em 26 de junho de 2010.

Atualmente, a Paróquia-Santuário é referência no turismo religioso, recebendo romeiros de todas as partes do país, bem como visitantes de diversos países. As festividades da padroeira acontecem de 13 a 22 de maio, encerrando com uma procissão que já bateu a marca de 100 mil pessoas. Santa Rita é chamada carinhosamente pelos devotos de “santa das causas impossíveis” ou “madrinha dos sertões”.

X