Destaques › 18/11/2015

Seminário de São Pedro realizou exposição com obras de padres potiguares

O Seminário de São Pedro realizou na última terça-feira (17), a exposição “Nosso clero também se imortalizou”, com livros do Cônego Monte, Dom Nivaldo Monte e do Monsenhor Eymard. Os livros da exposição fazem parte do acervo da biblioteca Cônego Monte, do Seminário de São Pedro. Esta foi a segunda exposição realizada pelo seminário com o acervo de sua biblioteca.

O Seminarista Denison Costa, coordenador da exposição, falou o que motivou a realização do evento: “A nossa inciativa tem o objetivo de fomentar o gosto pela leitura e também mostrar as riquezas que a nossa arquidiocese tem, e que muitas vezes ficam adormecidos nos arquivos e nas bibliotecas”, disse.

Seminarista Denison Costa coordenou a exposição (Foto: Edvanilson Lima)

Seminarista Denison Costa coordenou a exposição (Foto: Edvanilson Lima)

Para o Pe. José Nazareno, reitor do Seminário de São Pedro, a iniciativa é importante para a formação dos seminaristas: “Fazer com que cada seminarista conheça esses ícones da nossa cultura, do clero e pra dizer que o clero também se imortalizou. É bom que cada seminarista passe pelo seminário e conheça a importância de ler estes vultos, de conhecê-los, e ao mesmo tempo, de que eles próprios sejam educados para estudar mais, pra ler mais, e assim, poderem também marcar a nossa arquidiocese, o nosso Estado e o nosso Seminário”, reforçou.

Bruna Rafaela desde 2008 estuda a obra do Cônego Monte

Bruna Rafaela desde 2008 estuda a obra do Cônego Monte (Foto: Edvanilson Lima)

A historiadora Bruna Rafaela, professora do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN), está iniciando a pesquisa para a tese seu doutorado, na Unisinos/RS, sobre a trajetória intelectual do Cônego Monte. Ela reforçou a importância de que a obras destes sacerdotes se tornem conhecidas: “Padre Monte escreveu sobre temas dos mais diversos. A ciência para ele era muito interessante, foi ele quem descobriu a scheelita no Rio Grande do Norte, escreveu sobre castidade, biologia, isso na década de 30. Então, era uma cultura diferenciada. Esta exposição que mostra o acervo da biblioteca é interessantíssima para mostrar a nova geração de seminaristas o quanto o clero natalense tem intelectuais renomados e uma produção historiográfica fantástica sobre temas relevantes para a nossa atualidade”, disse.

A biblioteca do Seminário de São Pedro conta com uma equipe formada por seis seminaristas e uma bibliotecária. Segundo a equipe, outras exposições serão realizadas com o acervo da biblioteca.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X